O Kart Explicado – Como Funcionam os Pneus do Kart


Pneu MG Vermelho HZ. Crédito Foto: MG Tires

Pneu MG Vermelho HZ.
Crédito Foto: MG Tires

No karting os pneus não apresentam tanta diferença em relação as tradicionais categorias do automobilismo, também se utilizam pneus slick com diferentes compostos de borracha que combinam durabilidade e grip. Os pneus, basicamente, se dividem em três níveis: Suave(Soft), médio(Medium) e duro(Hard). Os suaves desempenham grande nível de aderência, mas duram poucas voltas. Já os médios possuem certo equilíbrio entre durabilidade e dureza, e são bastante populares nas mais variadas categorias do karting. Por último, os pneus duros são pneus que possuem grande durabilidade, mas com um nível de grip não tão alto, demoram a atingir a temperatura de trabalho e exigem um acerto mais agressivo do kart para se extrair sua máxima performance.

Pressão dos pneus:

Crédito Foto: Firestonekartinfo

Crédito Foto: Firestonekartinfo

Independente do tipo do composto do pneu, este possui uma pressão de trabalho, e esta é diferente da pressão aplicada no pneu quando frio. Depois que o kart entra na pista para uma sessão de treino ou corrida, é normal que esta pressão atinja um valor maior do que quando o pneu estava frio, devido a temperatura ambiente, temperatura da pista, o ajuste do kart, superfície da pista e claro, o atrito dos pneus com o solo. O problema é que se esse aumento de temperatura for excessivo, torna-se prejudicial para o desempenho dos pneus. Por isso é importante atentar para alguns detalhes antes entrar na pista e logo após sair dela.

Antes de entrar na pista, é importante verificar se os pneus estão todos calibrados corretamente, e garantir que estejam todos sobre as mesma condições. Por exemplo, se estão sob o sol, todos devem ficar sob o sol, se estão na sombra, todos devem permanecer na sombra. Todo esse cuidado é importante, pois a pressão inicial(frio) do pneu influencia na pressão de trabalho(quente) do mesmo. Até que o pneu atinja sua pressão de trabalho, a pressão pode aumentar de 2 a 6psi em relação a pressão inicial. Essa pressão de trabalho que o pneu pode atingir depende do composto do pneu. Quanto mais duro o composto, maior pressão de trabalho.

A alteração da pressão dos pneus possui impacto direto no grip, e no quão rápido esse grip irá ser alcançado quando o kart está na pista. Em resumo, quando reduzimos a pressão dos pneus obtemos mais grip, devido a maior área de contato da banda de rodagem, mas a velocidade com que os pneus atingem a temperatura e a pressão de trabalho é mais lenta, e consequentemente o grip será mais lentamente obtido; quando aumentamos a pressão dos pneus, estes conseguem rapidamente atingir a temperatura e pressão de trabalho, logo atingem o grip mais rapidamente.

Pneu já utilizado, percebe-se a formação do graining em sua borda interna. Neste caso, é importante avaliar o alinhamento do kart. Crédito Foto: formula1-dictionary

Pneu já utilizado, percebe-se a formação do graining em sua borda interna. Neste caso, é importante avaliar o alinhamento do kart.
Crédito Foto: formula1-dictionary

Contudo, os excesso são prejudiciais para ambos os extremos. Pressões muito baixas farão o pneus murchar, e ao invés de se obter uma maior área de contato, obtém uma área de contato desigual comprometendo o comportamento do kart. Pressão elevadas resultarão no desgaste prematuro do pneu, desgaste na parte central da banda de rodagem e a perca do grip.

Devido aos fatores acima, a pressão dos pneus é uma variável delicada no acerto de um kart, na verdade ela é dinâmica, pois não é constante e variáveis como condições da pista, clima, acerto do kart e até a técnica do piloto irão influenciar na pressão de trabalho dos pneus. Por isso, é muito importante fazer anotações da pressão dos quatro pneus do kart antes de entrar e logo depois de sair da pista, e saber o quanto de pressão os pneus ganham depois de um sessão de treino ou corrida, o ideal é que o aumento nunca ultrapasse a faixa de 2 a 3 psi.

Cada tipo de pneu possui uma determinada pressão incial a ser calibrada:

  • Duros: 12-13psi;

  • Médios: 9-10psi;

  • Suaves: 8-9psi.

Possuem também uma pressão de trabalho que deve ser atingida na pista:

  • Duros: 15psi;

  • Médios: 13psi;

  • Suaves: 11,5psi.

Tendo em mente que os pneus do kart podem atingir até 6psi a mais de pressão em ritmo de treino ou corrida, devemos calibrar os pneus quando frios a uma determinada pressão que compense esse ganho, e os pneus se mantenham na faixa de pressão de trabalho. Por exemplo: Iniciando um treino com 10psi de pressão(frio) nos quatro pneus, é importante medir a pressão assim que o kart retornar aos boxes, e avaliar o aumento de pressão. Pois muitas vezes o aumento é desigual, devido ao layout da pista. Então, supondo que em um retorno do kart aos boxes, e ao medir a pressão dos pneus obtenhamos valores iguais no lado esquero do kart, 13psi, mas diferentes do lado direito, 14psi no pneus dianteiro direito e 15psi no traseiro direito. Sabendo disso, durante a calibração do pneus a frio, colocamos 10psi nos pneus esquerdos, enquanto colocamos 9psi no dianteiro direito e 8psi no traseiro direito. O objetivo desse procedimento, é equalizar a pressão de trabalho dos pneus mesmo nas pistas aonde as cargas se concentram mais de um lado do que do outro.

Temperatura dos pneus:

Em algumas passagens dos parágrafos anteriores mencionamos a temperatura dos pneus durante seu uso, na verdade a temperatura e a pressão são bastante ligadas ao desempenho dos pneus. E da mesma forma que a pressão, também devemos aferir a temperatura dos pneus. O equipamento para medição de temperatura dos pneus chama-se pirômetro, e pode ser a laser ou do tipo agulha. Embora o aparelho a laser seja mais prático e rápido, o tipo agulha é mais preciso, pois consegue aferir a temperatura além da banda de rodagem do pneu, aonde o calor é mais intenso.

As setas indicam os três pontos do pneu que devem ser medidas a temperatura logo após o kart retornar ao box. Crédito Foto: MG Tires

As setas indicam os três pontos do pneu que devem ser medidas a temperatura logo após o kart retornar ao box.
Crédito Foto: MG Tires

A temperatura é medida em três pontos da banda de rodagem do pneu, parte externa, centro e na parte interna. Com essas três variáveis de temperatura é possível mensurar em quais pontos do pneus se faz maior contato com o solo. Isto também pode ser avaliado observando como ocorre o desgaste dos pneus, pois as zonas de superaquecimento são perceptíveis devido ao graining, pequenos fiapos de borracha que desgarram do pneu. Assim, um preparador pode avaliar se o alinhamento do kart está ideal para pista ou se deve ser revisado.


Auto entusiasta, piloto virtual, técnico em Manutenção e Mecânica Automotiva, estudante de Engenharia Mecânica. Automobilista nato!

Your Turn To Talk

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Instagram